Vídeo com celular por R$ 169,90 em loja de Luciano Hang é falso e criador por IA

Recentemente, começou a circular um vídeo nas redes sociais sobre uma promoção que garante celulares por R$ 169,90 na loja de Luciano Hang, a Havan. Porém, o vídeo compartilhado é falso e foi criado utilizando ferramentas de inteligência artificial (IA). 

O vídeo mostra uma imagem de Luciano Hang, dono da Havan, afirmando que recebeu cerca de mil celulares Galaxy A15 e que pretende vender os aparelhos por R$ 169,90. Além disso, é informado que o valor arrecadado através da venda dos celulares será utilizado para auxiliar as famílias atingidas pelas enchentes no Rio Grande do Sul. 

Em uma apuração feita pelo Estadão Verifica, o conteúdo do vídeo foi analisado e a conclusão é que as imagens utilizadas são reais, capturadas durante as enchentes que atingiram o Rio Grande do Sul, quando Luciano Hang fez uma visita ao local, onde estava localizada uma de suas lojas.  

Porém, foi utilizada Inteligência Artificial para alterar a voz do empresário digitalmente, ou seja, as informações mencionadas são falsas e não existe promoção vendendo celular por R$ 169,90. Neste caso, a venda também foi negada pela própria empresa e informou que estão tentando aplicar um golpe nos consumidores utilizando o nome da empresa. 7

Detalhes do vídeo

No dia 6 de junho, a Havan publicou em seu Instagram oficial um vídeo anunciando a doação de R$ 10 milhões arrecadados pela empresa, conforme informado pelo proprietário Luciano Hang. O vídeo verdadeiro mostra Hang comunicando a distribuição dos fundos.

Em relação a versão falsificada do vídeo, aparece um homem desembrulhando um Galaxy A15 e, em seguida, mostrando Hang abraçando vítimas das chuvas. Na montagem, Hang afirma que “toda a venda será doada aos mais necessitados”. O conteúdo falso induz os espectadores a acreditar na autenticidade da mensagem.

O link no vídeo fraudulento direciona para um site que imita a página oficial da Havan, redirecionando os usuários para um site que copia a aparência do Mercado Livre ao tentar comprar o celular. A página falsa promete frete gratuito e entrega em até 7 dias úteis, independentemente do endereço fornecido, enganando os compradores.

Em resposta, Hang pediu que as redes sociais se responsabilizassem pela disseminação de vídeos falsos utilizando a imagem dele. “As plataformas que são responsáveis por permitirem a entrada desses golpes deveriam ser responsabilizadas, porque elas têm tecnologia suficiente para identificar esses perfis falsos”, disse o empresário.

Esta não é a primeira vez que o nome de Luciano Hang e da Havan são utilizados para criar vídeos falsos utilizando Inteligência Artificial (IA). No mês anterior, já havia acontecido um caso semelhante envolvendo venda de produtos e informando que os valores seriam doados aos residentes do Rio Grande do Sul. 

Recomendamos verificar através de fontes oficiais a veracidade dos vídeos e não realizar compras ou transações através de sites que pareçam suspeitos. 

Inquérito das fake news

Luciano Hang está envolvido nas investigações da Polícia Federal no inquérito das fake news, durante o governo de Jair Bolsonaro. O inquérito, que iniciou em 2019, do Supremo Tribunal Federal (STF) investiga a disseminação de notícias falsas que afetam a segurança dos brasileiros. 

Nos últimos anos, o inquérito se ramificou em várias investigações, autuadas no STF sob a forma de novos inquéritos – como o dos “atos antidemocráticos”, o das “milícias digitais”, e também os atos golpistas relacionados ao 8 de janeiro de 2023. 

Hang, um aliado de longa data do ex-presidente Bolsonaro, chegou a suspender temporariamente a veiculação de anúncios de sua empresa na Rede Globo. A decisão foi tomada em protesto contra a cobertura jornalística da emissora sobre o governo Bolsonaro. No entanto, após alguns meses, ele retomou os investimentos publicitários na Globo, reconhecida por sua ampla audiência no país.